PRINCESA DO SOLIMÕES, Maik

Maik. Princesa do Solimões.  Estádio Urbano Caldeira/Vila Belmiro. Santos, 2014.

Maik. Princesa do Solimões. Estádio Urbano Caldeira/Vila Belmiro. Santos, 2014.

Por que o Princesa do Solimões?

“Porque eu sou o torcedor-símbolo do time.”

Quando o Princesa do Solimões aparece em sua cidade, é obrigação sua comparecer ao jogo. Foi o que fiz. Na chance única de ver o time de Manacapuru, no Amazonas, também tive a chance de fotografar um ótimo personagem. O Maik, esse aí de cima.

Sm, e sei que ele não está com a camisa do time. Apenas um mulher foi com a camisa dos amazonenses, mas não consegui atravessar o estádio rápido o suficiente para encontrá-la antes dela ir embora. Porém, consegui fotografar o Maik. E acaba sendo muito mais interessante, não?

Fiz uma matéria para o UOL Esporte, onde trabalho, sobre ele. Ele é torcedor-símbolo do Princesa e se autodenomina “A Princesa”. Foi o primeiro jogo dele fora do Amazonas – ou seja, eu tive muita sorte. Todo mundo na Vila mais comentou sobre ele do que sobre o jogo.

Copa do Brasil é importante por isso: os personagens que ela apresenta. Ou você acompanha o Amazonense a fundo para saber do Maik?

JOINVILLE, André

.Joinville. 2012.

André. Joinville. Avenida Paulista/Coffee Corner. São Paulo, 2012.

Por que o Joinville?

“Porque é uma camisa comemorativa pouco usada”

O Joinville é tradicionalmente preto, vermelho e branco. Porém, para a decisão da Série C de 2011, resolveram usar camisa comemorativa e saiu esse negócio aí, bastante criticado pela torcida.

Eu nem critico as cores. O problema é o absurdo número de patrocinadores. O m,ais legal? RED HORSE ENERGY DRINK. É quase um doping aberto.

.

André. Joinville. Avenida Paulista/Coffee Corner. São Paulo, 2012.

Eu contei 10 patrocinadores só nessas duas fotos. Se errei no ângulo, é capaz de ter mais uns 4 escondidos.

Aliás, o Joinville tem como curiosidade mais atual o fato de ter sido o último adversário de Neymar na Vila Belmiro, na Copa do Brasil de 2013. Informação inútil, mas é do tipo que eu gosto (até porque eu estava no jogo).

EXETER CHIEFS (Rugby), Stacey

Stacey. Exeter City (rugby).

Stacey. Exeter City (rugby). Orlando/Flórida. Estados Unidos, 2012.

Por que o Exeter Chiefs?

“Porque sou torcedor do time e sou da cidade.”

Não é a primeira camisa de rugby que posto aqui: já tivemos da Rússia, EUA, Argentina e do Biarritz, time do País Basco francês.

Mas essa foi bem legal porque foi de um time que eu tenho certeza que, tirando na própria cidade de Exeter, eu jamais verei de novo, muito menos nos EUA.

O Exeter Chiefs é um time da primeira divisão do rugby da Inglaterra, e o Stacey ficou bem feliz ao conversar comigo sobre o time. Obviamente, depois de passado o susto de estar passeando com a família e chegar um maluco com sotaque estranho pedindo para tirar foto.

O uniforme deles é fornecido pela Canterbury, tradicionalíssima no rugby e que produz algumas das mais alternativas do futebol mundial.

NOTTINGHAM FOREST, Caique

caique. Nottingham Forest.

Caique. Nottingham Forest. Avenida Paulista/Coffee Corner. São Paulo, 2012.

Por que o Nottingham Forest?

“Porque foram bicampeões da Europa nos anos 1970.”

Que é basicamente o único motivo pelo qual o Nottingham Forest é lembrado no mundo, já que amarga divisões inferiores da Inglaterra há muito tempo.

Mesmo assim, a bela camisa vermelha com o símbolo da árvore é vendida por aqui,m porque colecionador acha bacana ter a camisa de um time aleatório que venceu, sabe-se lá como, a Europa por duas vezes, em 1979 e 1980.

Eu usaria, acho linda, por dois simples motivos: o escudo deles e pelo fato de ser simples. Invenção demais é difícil ficar legal.

PORTUGUESA SANTISTA, Maurício

Maurício. Portuguesa Santista. Arena Santos. Santos, 2011.

Maurício. Portuguesa Santista. Arena Santos/Vila Mathias. Santos, 2011.

Por que a Portuguesa Santista?

“Porque é o segundo time de todo mundo de Santos.”

Não posso CORROBORAR tal frase dita pelo Maurício porque conheço muito santistas (cidade e time) que não vai com a cara da Portuguesa Santista, mas tudo bem, a Briosa é simática demais, inegável.

Eu, como morador de Santos, tenho como LACUNA na vida não ter uma camisa d’A Mais Briosa, mas a culpa é do preço, sempre caro pra um time que amarga já há algum tempo a quarta divisão paulista.

Gostei da camisa usada pelo Maurício, limpa, sem patrocínios, e do modelo tradicional, listrada verticalmente.

Não é a primeira vez que a Portuguesinha aparece aqui. A outra foi com o Ricardo, veja aqui.

Pra completar, fiquem com o hino mais lindo do mundo, em versão rock:

PUMAS, José Ricardo

José Ricardo. Pumas. Universo Online (UOL)/Pinheiros. São Paulo/2013.

José Ricardo. Pumas. Universo Online (UOL)/Pinheiros. São Paulo/2013.

Por que o Pumas?

“Porque sempre gostei das camisas dos clubes mexicanos. Achei o desenho do puma e as cores muito bonitas.”

A primeira camisa que publico em 2014 é uma das mais alternativas e bonitas do futebol mundial.

O Pumas, do México, é conhecido por quem curte camisas pelo lindo puma que possui desenhado na frente da camisa, substituindo ao símbolo tradicional no peito.

O Zé Ricardo, que trabalha no UOL comigo, apareceu um dia aqui comigo e me salvou de um dia triste em que vi a camisa do Pumas na rua mas estava ao telefone e não pude fotografá-la.

E o que ele conta sobre? “Sempre gostei das camisas dos clubes mexicanos. A do Pumas eu vi pela primeira vez em uma Sul-Americana que esta equipe eliminou o Corinthians, em 2005. Achei o desenho do Puma e as cores muito bonitas.”

E desde então ele quis tê-la. Até que conseguiu.

“Virou um desejo tê-la um dia. Eis que em 2009, numa viagem ao México, vi para vender, das três cores. A azul, a dourada e a branca. Preferi a branca porque acho que o Puma, em dourado fica mais visível. E o time havia acabado de ser campeão mexicano.”

Assumo que compraria a azul, com o dourado em cima fica lindo, mas de fato menos perceptível. De qualquer maneira, camisa que todos os colecionadores desejam.

REINO UNIDO, Barry

Barry. Reino Unido (Olimpíadas 2012). Florida Mall/Orlando. Estados Unidos, 2012.

Barry. Reino Unido (Olimpíadas 2012). Florida Mall/Orlando. Estados Unidos, 2012.

Por que o Reino Unido?

Porque sou britânico!

Conversar com pessoas nas ruas e uma experiência das mai malucas, mas é sempre bacana, principalmente se a pessoa for simpática. Aí veja só você: um vovô de bigodeira branca, barriga de chope, meia na canela, shorts e um sapato meio estranho… Só podia ser gente boa!

E o papo foi bem legal. Britânico de férias nos EUA, ele teve que aguentar um brasileiro chato (eu!) puxando assunto porque, pô, ele usava uma camisa do Reino Unido nas Olimpíadas. Pensa: ocasião única!

A raríssima camisa da seleção que não existe mais é linda, até porque é bem alternativa e, bem, eu amo camisas alternativas, cheia de desenhos e traços que parecem não fazer sentido.

Bom, o seu Barry, que estava esperando a esposa fora de uma loja (depois ela apareceu e também foi muito simpática!) me contou que é torcedor do Chelsea (dias antes do Mundial), e que é bastante fã dos brasileiros que lá jogam, como David Luis e Ramires.

Também disse que era fã do Barcelona (afe), mas isso a gente releva.

Espero ser um tiozão gente boa como o Barry daqui uns 85 anos.

EARLWOOD WANDERERS, Victor

Victor. Earlwood Wanderes. Portal Terra/Brooklin. São Paulo, 2012.

Victor. Earlwood Wanderers. Portal Terra/Brooklin. São Paulo, 2012.

Por que o Earlwood Wanderers?

“Porque um amigo meu foi para a Austrália e me trouxe.”

Rapaz, essa talvez seja a mais rara já postada aqui. Porque pouca gente fora da Austrália (leia-se provavelmente ninguém) tem camisa de time amador de lá. O Victor, que trabalhou comigo no Terra, tem.

E sabendo que eu tenho esse blog, um dia ele levou a PEITA lá pra redação, porque sabia do valor dessa beleza fornecida pela JOMA (JOMA, o nome mais legal entre fornecedoras de material esportivo, fácil).

Segundo o Victor, um amigo dele foi morar la na Austrália e jogou bola com os caras desse time aí. A informação deles é que o time seria meio de rua e tal, várzea. Mas é um pouco mais do que isso, segundo pesquisas: é semi-profissional, jogando ligas regionais da Austrália.

Se vocês jogarem o nome do time no google dá pra achar bastante coisa, inclusive o endereço facinho, passem por lá quando fizerem o rolê australiano.

E sim, patrocpínio da MERCEDES BENZ pra um time semi-amador. Tem time no Brasil que precisa aprender com eles.

PORTLAND TIMBERS, Carlos

o

Carlos. Portland Timbers. Outlet International Boulevard/Orlando. Estados Unidos, 2012.

Por que o Portland Timbers?

“Gosto de camisas de futebol e comprei essa.”

Tudo bem, né. Se eu estava num outlet, era meio óbvio que eu ia encontrar pessoas consumistas. Americano ainda, aquela tristeza (OPA XENOFOBIA).

Mas foi bem isso, já que o Carlos não é exatamente fã de futebol, muito menos do Portland. E nem de lá ele é. É de Orlando mesmo.

Mas é aquilo, ele acha camisas de futebol legais, e ainda tinha a vhance de meter o nome nela, por que não? Sim, tinha um QUIROS na parte de trás, o sobrenome do menino.

O inocente aqui, que manja tanto de MLS quanto de BEISEBOL, ainda perguntou se era nome de um jogador do time. Ledo engano.

Mas fica o destaque pro quanto eu STALKEEI o menino. Como eu não tinha o que fazer naquele lugar, mas tinha que esperar meu grupo, fiquei sentado numa pracinha. Vi o Carlos numa loja e esperei ele sair. Ele demorou tipo UMA HORA.

Aí perdi de vista, achei, ele rodou por mais uma três lojas e eu perseguindo, até que consegui para-lo. Pela cara de susto dele quando fui conversar, acho que ele percebeu.

HOLANDA (retrô), André

André. Holanda. Portal Terra/Brooklin. São Paulo, 2012.

André. Holanda. Portal Terra/Brooklin. São Paulo, 2012.

Por que a Holanda?

“Porque sou fã do futebol holandês”.

Tenho paixão por camisas retrôs, então em um dos meu últimos dias no Terra não pude perder a chance de fotografar o André, que trabalhava em uma editoria que não era a minha então não sei o que ele fazia, quando ele apareceu com a camisa retrô da Holanda de 1974, vice campeã do mundo.

Se você perceber, a GRANDE SACADA é cada manga ter apenas duas listras, assim como o Cruyff usou naquela Copa, porque não era patrocinado pela Adidas, apesar da seleção ser.

É tipo eu, que não compro camisas do time que torço com patrocínio. TEM QUE SER MALA.

A, sim, a camisa era (é/deve ser ainda) número 14.